“A intervenção do psicólogo, do nutricionista e do educador físico é fundamental no processo de mudança comportamental dos pacientes que se submetem ao tratamento da obesidade por meio da cirurgia bariátrica”, afirmou o médico cirurgião bariátrico Thiago Patta, de Rondônia, especialista em videocirurgia.

“Sem essa equipe multidisciplinar, o tratamento efetuado pelo médico não surtirá o efeito esperado”, pontua o cirurgião.

Cirurgião bariátrico Thiago Patta

“Faz-se necessário, porém, que esses profissionais sejam especializados. Não pode ser aquela pessoa que flerta com a obesidade, pois não dá para entender sobre esse assunto apenas pincelando, é preciso conhecer profundamente para poder falar e atuar com propriedade”, completa.

Motivação – engajamento

De acordo com o médico, só tem duas questões que fazem o paciente mudar o comportamento. Primeiro, é a motivação. “Se ele não se sentir motivado com os resultados, a tendência é que abandone o tratamento”, destaca.

“Ele precisa certificar-se dos efeitos positivos do tratamento para se conscientizar de que está valendo a pena todo o sacrifício pelo qual está passando”, completa.

O segundo ponto, de acordo com Thiago Patta, é o engajamento.  “Isso fará com que o paciente continue melhorando a cada dia os seus hábitos diários em relação à alimentação, à atividade física e aos pensamentos positivos, visto que está tendo uma melhor qualidade de vida”, relata. É justamente nesse processo que a atuação desses profissionais, junto com o médico, faz toda a diferença.

Para finalizar, o cirurgião bariátrico enfatiza que a pessoa que não esteja disposta a aderir a essa programa multidisciplinar com o médico, psicólogo, nutricionista e educador físico, assim como promover mudanças de hábitos e estilo de vida, não deve se submeter a esse tratamento da obesidade.

Siga: @blogdepontacabecaoficial

Autor: Emília Araújo – jornalista profissional