Este animal já ‘matou mais pessoas do que as guerras”, diz pesquisadores. Um casal de ratos pode criar um ninho com 1.250 indivíduos em apenas 12 meses.

Cientistas alertam que a urbanização desenfreada e o aquecimento global provocarão o aumento da população de roedores em todo o mundo. E a tendência é piorar cada vez mais.

Isto porque, até 2050, quase 70% das pessoas em todo o mundo viverão em cidades. Atualmente, 55% moram na área urbana. Os dados são das Nações Unidas. Mais pessoas e mais prédios significa maior produção de lixo e, consequentemente, alimento em abundância para os ratos.

Uma espécie, mais do que qualquer outra, representa um grande problema: o Rattus norvegicus, conhecido como ratazana ou rato-castanho, um dos tipos mais comuns. “Uma ratazana fêmea já pode ter filhotes às 5 ou 6 semanas de idade, por exemplo”, afirmou Steve Belmain, professor de ecologia da Universidade de Greenwich, em Londres.

Temperaturas mais altas levarão a ciclos reprodutivos mais longos – ou seja, com o nascimento de mais filhotes -, o que não pode ser menosprezado no caso do roedor. De acordo com especialistas, um casal de ratos pode criar um ninho com 1.250 indivíduos em apenas 12 meses.

“Os ratos são um inimigo terrível e precisamos aceitar que é impossível erradicá-los. Matá-los não funciona, porque os que ficam para trás podem se recuperar rapidamente”, explicou Steve Belmain.

Michael Parsons, biólogo da Fordham University, em Nova York, cita uma estatística surpreendente: alguns pesquisadores calcularam que os ratos causaram mais mortes do que todas as guerras combinadas nos últimos mil anos.

 MATAR

A maioria das soluções usadas hoje em dia envolve matar os animais, especialmente por envenenamento. Mas isso cria riscos ambientais e também pode afetar seres humanos e outros animais.

Os cientistas também registraram casos em que ratos desenvolveram imunidade a alguns tipos de substâncias supostamente destinadas a matá-los.

PREDADORES

Algumas cidades também apostaram no uso de predadores contra infestações de ratos. Washington, por exemplo, colocou “pelotões” de gatos em plena capital americana. Mas pesquisa desenvolvida por Michael Parsons mostrou que esse método não funciona.

No período de cinco meses em que Person e sua equipe monitoraram uma colônia de ratos no Brooklyn, em Nova York, os gatos conseguiram matar apenas dois de uma população estimada de 150 ratos. Estima-se que a cidade de Nova York tenha de mais de 2 milhões de ratos.

CONTRAPEST

Em 2016, a empresa americana Sensetech anunciou um contraceptivo que poderia tornar as ratas inférteis. Nas palavras da fundadora da empresa, Loretta Mayer, a invenção “mudaria o mundo”. O ContraPest foi testado em Nova York no ano passado. Mas alguns especialistas são mais céticos na eficácia deste produto.

SOLUÇÃO SIMPLES

É consenso entre os cientistas que a interrupção da disponibilidade de comida para ratos é a chave para manter as populações destes animais à distância. Para  Steve Belmain, as soluções são mais básicas do que pensamos. “Se as autoridades lidarem com questões como armazenamento de lixo e falta de saneamento, isso pode ter efeitos profundos”, diz.

De acordo com Mike Parsons, a indústria de combate aos roedores é um negócio de bilhões de dólares. “Mas ações simples como carregar o lixo consigo em vez de despejá-lo em uma lixeira pública podem ser mais eficazes”, destaca. “Com menos comida, os ratos terão que ajustar sua população. Isso implica em se reproduzir menos e lutar uns contra os outros”.

Mas, para Jan Zalasiewicz, paleobiologista da Leicester University, se as coisas continuarem como estão, o futuro pode realmente pertencer a ratos.

 OS RATOS NO MUNDO

INDONÉSIA: Estima-se que as perdas anuais de colheitas de arroz decorrentes de danos causados por roedores estão na ordem de 17%.

NIGÉRIA: O presidente Muhammadu Buhari precisou trabalhar de casa durante várias semanas no ano passado, depois que ratos infestaram seu escritório.

CHICAGO: É conhecida hoje como a “capital dos ratos” dos Estados Unidos.

PARIS: A população de roedores é um dos problemas enfrentado pela administração da cidade atualmente- estima-se que no subterrâneo da cidade vivam cinco milhões de roedores.

BRASIL: O Blog de Ponta Cabeça não conseguiu informações sobre a situação no Brasil e, em especial, em Rondônia.

PORTO VELHO: Em Porto Velho o blog também não conseguiu dados oficiais, mas sabe-se que um dos maiores ponto de concentração de ratos ocorre ao longo da avenida Jorge Texeira devido a quantidade de caminhões passam por essa via transportando grãos. Esse produto cai na via e os ratos aproveitam para se alimentar. Nas demais área da cidade também é grande o número de roedores, isto porque boa parte das ruas têm esgoto a céu aberto.

Edição: Blog de Ponta Cabeça

Fonte: BBC – Leia a matéria completa da BBC AQUI