A semente do abacate é rica em “biscatechin, poderoso antimicrobiano e antitumoral. É rica ainda em catequina, substância neuroprotetora, antioxidante e age como preventivo da hepatite.

O consumo da semente pode ajudar também no tratamento de diabetes, constipação, diarreia, artrites e artroses,  ajuda a reduzir o colesterol oxidado, além de ser excelente para pele devido a estimulação da síntese de colágeno. Isso sem falar nas propriedades antifúngicas.

“Todos esses benefícios são comprovados por meio de pesquisa”, afirma o médico endocrinologista mineiro, Leandro Almeida, citando estudo publicado no Jornal Americano de Medicina Chinesa e na Enciclopédia de Ingredientes Naturais Comuns do Dr. Leung. “Isso faz  da semente um SUPER alimento”, pontuou.

O endocrinologista cita ainda estudo realizado na Universidade Nacional de Cingapura, que comprovou que a semente chega a oferecer 70% a mais de antioxidantes do que as frutas em geral.

O médico acrescenta que a semente é um  dos  alimentos mais ricos em fibras do planeta, e o seu consumo contribui para equilibrar os níveis de colesterol no organismo.

Por fim, ele cita o estudo  do Departamento de Ciência dos Alimentos da Universidade Estadual da Pensilvânia, que comprovou os benefícios desse produto na saúde cardiovascular, pois melhora a hipercolesterolemia, contribuindo no tratamento da hipertensão, condições inflamatórias e diabetes.

Como usar

 A leitora do Blog de Ponta Cabeça, Eliane Cristina, que trabalha com a produção de alimentação saudável, explica como utiliza a semente.

“Eu coloco para secar bem, depois ralo ou coloco no processador – em seguida guardo em uma vasilha e vou usando na comida, nas tortinhas e pães que faço e também nos sucos.

Ela afirmou que a semente, se estiver bem seca, não interfere no sabor. A leitora  diz que chega a usar em alguns molhos para engrossar.

 Pedra nos rins

Olha que maravilha, Kátia Aramen, brasileira, que atualmente mora em Portugal, cita mais um benefício da semente do abacate. Ela conseguiu eliminar as pedras nos rins. “Quebrou e saiu em cinco dias”, disse. Kátia explica como procedeu: “Ralava o caroço e colocava metade em um litro de água, deixava ferver por cinco minutos e desligava. Após esfriar, eu coava e tomava durante o dia todo. Falaram que a pedra sairia em 10 dias, mas a minha foi eliminada em apenas cinco”.

Leandro Almeida

Ele é médico endocrinologista, com atuação em endocrinologia esportiva. O especialista tem quase 500 mil seguidores em sua página no Facebook,  e 100 mil no Instagram.