Resolvi escrever esse depoimento após ler as notícias sobre sobre suicídio, que vem aumentando consideravelmente, especialmente entre os jovens. Quero que o meu testemunho sirva de exemplo para as pessoas que passam por problema idêntico e acham que não têm saída.

Suicídio é algo que me abala profundamente por representar o máximo do sofrimento da alma, da solidão, da dor sem fim, da falta de luz no fim do túnel. Ao ler notícias desse tipo, tenho o desejo, mesmo sem ter conhecido a pessoa, de tê-la colocado no meu colo, antes de cometer esse ato desesperador, e ter dito que precisaria lutar, que essa dor passaria. E ela passa, por ter certeza. A depressão não escolhe sua vítima por classe social ou profissional.

Já senti muita vergonha de admitir que passei por uma grave depressão há seis anos. Sei bem o que significa este inferno, ao ponto de querer dar fim a minha vida, na ilusão de acabar com a dor. Hoje não tenho mais nem a doença nem a vergonha, porque fui forte e superei. Orgulho-me de mim mesma.

A imagem dos meus filhos em um porta retrato me fez desistir de um ato tresloucado e desesperado, e gritar a minha dor para um amigo que, felizmente, me ouviu. Jornalista Sandra Santos

Quem me socorreu  foi meu grande amigo Glênio Tonon. Foi o primeiro e único que percebeu que eu estava com depressão e me conscientizou de que necessitava de tratamento. Outro grande amigo, Jari Luiz, me indicou a coach Cristiane Farias, que fez um trabalho maravilhoso comigo.

Terapia e hipnose

Ano passado (2016), para ter certeza que não voltaria a ter problemas de depressão, fiz sessões de terapia e hipnose com a psicóloga e coach Rosângela Pedro, e com a ajuda dela entrei em contato com a raiz da minha agressividade e dificuldade de perdoar aos outros e a mim mesma.

Esse trabalho com a Rosângela fez muita, mas muita diferença na minha vida – tornei-me mais leve, mais tolerante e, consequentemente, adquiri mais paz interior. Há um bom tempo eu voltei a ser feliz, até bem mais do que eu era antes da depressão e recuperei a minha alegria, que tanta falta me fez naquele período. Só tenho que agradecer a essas pessoas que foram fundamentais em minha vida.

Como sai da depressão

Primeiro, contei com a ajuda das três pessoas que já citei. Porém, o fundamental foi me conscientizar de que estava doente e precisava de ajuda profissional. Depois comecei a ler tudo sobre o assunto. O coach me ajudou a reencontrar meus sonhos e objetivos. Em seguida me afastei de todas as pessoas que me deixavam para baixo.jornalista Sandra Santos

Em vez de reclamar comecei tomar a passiflora, fazer esportes, além de tentar perdoar aqueles que não me entendiam, e principalmente a mim mesma, pois era uma pessoa forte, mas me encontrava totalmente frágil. Perdoar os familiares e amigos e a nós mesmos é fundamental

Novos projetos

Dei um tempo para mim e fui viajar, fazer coisas que me faziam bem e das quais eu gostava. Retomei antigos projetos e iniciei novos – isso é muito importante. Comecei a praticar o pensamento positivo – é fundamental. Deixei de vitimizar-me, tomei as rédeas da minha vida e aprendi que a mudança depende unicamente de nós mesmos. Deixei de criar expectativas em relação aos outros. Pratico atividade física todos os dias e sou persistente, especialmente nos dias mais difíceis

Grite por socorro

Portanto, se você está depressivo, grite por socorro, não tenha vergonha. E saiba que mesmo pedindo socorro, a maioria não ouve, pois estão cegos, surdos ou indiferentes ao sofrimento alheio neste mundo onde se exige, cada vez mais, uma felicidade fingida.
Mas não desista, há saída. Grite a sua dor o mais alto que puder e alguém vai escutar. Não desanime casos as pessoas mais próximas não entendam o seu sofrimento. Às vezes, a ajuda vem de quem menos esperamos.

Saiba que para essas pessoas mais próximas é muito difícil mesmo conviver com um depressivo, especialmente com aqueles que se recusam a admitir o problema e não aceitam ajuda profissional.

E para você que convive, ou simplesmente gosta de criticar o outro, por favor, jamais diga a uma pessoa que tem depressão, e que está lhe pedindo socorro, que o problema dela “é falta de Deus no coração”. Isso é crueldade por parte de quem utiliza esse argumento.

Depressão é doença séria e silenciosa. Não trate como frescura ou falta do que fazer.
Fico profundamente comovida com atitudes extremas de jovens que se matam

Quando tudo parece perdido, lembre que sempre existirá uma saída e uma infinidade de razões para continuar a viver. Acredite!

Curta a nossa página no Facebook